segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

O aprendizado de ser grato


27.02.2017
Do portal ULTIMATO ON LINE, 13.02.17
Por Jeverton Ledo

A criança que descansa embalada nos braços calorosos do pai, o sorriso largo que rompe com a timidez de outrora, a rosa que perfuma o jardim, a vida que se encontra no madeiro vazio e nos enche de esperança e gratidão.

Sim, eu sou, e sei que você é…

O agradecer permeia a jornada daquele que um dia estava só e foi confortado, do perdido que não apenas encontrou a luz no fim do túnel, mas acima de tudo se viu rompendo em um novo começo.

Está com o andarilho que perambulava sem rumo, e encontrou pouso e pousada, fincando os pés em chão firme. Quantos motivos temos para lançar na folha em branco um largo e grande “Sim, eu sou grato!!” O coração tocado e transformado em amor sempre terá espaço para agradecer.

Ao escrever, me vem à lembrança a eterna gratidão ao meu velho e saudoso papai, que com sua enorme paciência me ensinou o real valor do viver. Lembro-me de sua alegria ao me ver ficar em pé em minha velha prancha de madeira pela primeira vez. Houveram tantas outras vezes, e a alegria era sempre a mesma.

A gratidão percorre um caminho de mão dupla. Hoje vida que ajuda, consola, inspira, ensina, repreende. No amanhã, outro lado de uma mesma moeda.

Gratidão é um aprendizado? Essa pergunta é respondida no interno de cada um de nós, mas a resposta deve ser em todo tempo sempre a mesma. Agradecer é uma atitude que enche nosso viver de significado e significância.

No mais, olhe ao redor, perceba os pequenos detalhes frente a uma agitada e descontrolada corrida, que na maioria das vezes tira o foco do que realmente vale a pena.

Ser grato é ser capaz de, diante de dias não tão bons, entender que tudo nos traz aprendizado e crescimento.

E assim a vida é, como o rio que segue seu curso e desemboca em um oceano de novos desafios. Deixe o amanhecer chegar no romper de mais um dia, e seja grato pelo dia de hoje.

Jeverton “Magrão” Ledo é missionário e trabalha com juventude. Ele e a esposa estão na Bélgica, onde vão morar por um tempo.
*****
Fonte:http://ultimato.com.br/sites/jovem/2017/02/13/o-aprendizado-de-ser-grato/

A carta que Vingren deixou e ninguém leu… até agora

27.02.2017
Postado por DALADIER LIMA, 25.04.2015

Família do Pr Gunnar Vingren
Pr Gunnar Vingren e Família
Prezados irmãos assembleianos,

A paz do Senhor!

Sinto enorme alegria em me comunicar com vocês tantos anos depois de nossa chegada ao Brasil. Sempre gostei da palavra escrita, não à toa investimos, eu e minha esposa, tempo e dinheiro na criação de periódicos. Chegaria a qualquer pessoa, em qualquer lugar. E poderiam ler e reler e repassar a outros… E olha que meu português ainda estava se acomodando.

A igreja que fundamos, eu e o Berg, cresceu. É palpável, todo mundo quer agora ser assembleiano. Nos primeiros anos era somente bordoada. Da Igreja Católica, das igrejas tradicionais. Quase nenhum político nos acolheu. Nunca os procuramos, a não ser em demandas institucionais. Ouço dizer que agora estão por toda parte. E até assentam em nossos púlpitos. É um comportamento reprovável. Alegrias e tristezas, parece não ser possível ter tudo ao mesmo tempo…

Recebo algumas outras notícias tristes. Dizem, por exemplo, que o cântico congregacional foi substituído pelos orgãos. Era natural que os irmãos se ajuntassem… o que não é normal é tomarem o tempo da Igreja. Alguns me informam que um ou outro irmão canta sozinho ao microfone, enquanto os outros esperam calados, olhando pros lados. Quem entende? É grupo ou cantor? E o repertório? Dizem que a temática não é muito boa.

Outros me dizem que há uma departamentalização exagerada. Só falta o cara-crachá para entrar nas reuniões. Esses grupos são ótimos para a divisão do trabalho, mas com o tempo se criam nichos, onde ninguém mete a mão. Crescem e querem se apoderar do tempo e das energias dos demais. Acabam sobrepondo as atividades e se desentendendo. Sei não…

Fico abismado ao ler que não alcançaram plenamente o Sertão. Cem anos depois!? Andei muito pelo interior do País a cavalo ou a pé e sempre o Senhor abriu portas por todos os lados. O que há? Parece estar faltando oração e engajamento. Dinheiro, dizem, está sobrando. Compraram TVs e rádios, os carros são os melhores, tem até gente com avião! Por favor, amados, não esqueçam do Sertão! Sei que lá não tem muita riqueza, mas que valor daria para comprar uma alma?

Minha cabeça sueca está particularmente preocupada com os rumos que a igreja tem tomado, parecendo cada dia mais com as instituições europeias. Muita discussão, muita reunião e pouca coisa prática. Acabei de receber um telefonema informando os rumos da última AGO, em Fortaleza… Eu nunca quis uma Convenção Geral, sabia que ia dar nisso. 

Poder, poder, poder. Quando cansam do cardápio, bravata. Que coisa triste. Pessoas estão se perdendo, o Brasil está mergulhado na idolatria e nos vícios e os pastores discutindo quem fica com um naco maior de poder? Não foi isso que ensinei. É a receita certa para a derrocada.

Quando quiseram o controle do trabalho em Natal, em 1930, eu não me opus. Entreguei templos, membros, haveres e fui para minha amada Suécia. Deixei tudo para trás e não fiquei influindo nesta ou naquela decisão ou exigindo reparações. Penso que a Igreja não pertence a ninguém. Essa ânsia está cegando a denominação.

De Norte a Sul leio relatos de verdadeiras oligarquias, nas quais manda um grupo pequeno e restrito. Esse grupo catalisa as decisões e desbanca pessoas competentes e espirituais. Mas esse é dos problemas menores que me contam…

Me falam de desvios jogados debaixo do tapete, brigas por templos, pavoneamento, gastos excessivos à custa de ofertas e desperdício de energia mental e tempo. A Assembleia de Deus é grande mas não é indispensável. Cuidemos de voltar aos marcos antigos enquanto é tempo.

Envio-lhes uma foto da família. Por favor, não joguem fora nosso trabalho!

Gunnar Vingren
******

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Submissão, um princípio criado por Deus como modelo para nossa vida

26.02.2017
Postado por Pr. Robenildo Lins, 25.02.17
       
  
Introdução
    Estudar sobre Autoridade Espiritual pode parecer a alguns que se trata de um tema seco, mas a essência da própria espiritualidade está na relação certa de obediência a Deus. O Senhor age a partir do seu trono que está estabelecido sobre a sua autoridade. Isto é básico e coloca tudo como Deus quer. Louvar, orar, jejuar ou fazer qualquer coisa sem submissão não tem valor para Deus. É mecânico e sem vida.
I. Princípio Divino
    Deus é autoridade em si mesmo, e tudo que no mundo (cosmos) existe é sustentado pela palavra do poder de sua autoridade (Hb 1.3). Nada sobrepuja a autoridade de Deus no universo. Logo, é indispensável, para todo aquele que deseja cooperar com o Senhor, conhecer a autoridade de Deus. Entrar em contado com a autoridade do Senhor é o mesmo que entrar em sintonia direta com Deus. "A maior das exigências que Deus faz ao homem não é a de carregar a cruz, servir, fazer ofertas, ou negar-se a si mesmo. A maior das exigências é que Obedeça".

    "Tem porventura o Senhor tanto prazer em holocausto e sacrifícios quanto em que se obedeça a sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender melhor do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como idolatria e culto a ídolos do lar. Visto que rejeitaste a palavra do Senhor, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei." 1Sm 15.22-23
    Diante disso, rejeitar uma ordem de Deus é o mesmo que ir contra o próprio Deus. No Reino de Deus está implícita a Dependência. Dependência a tudo que o Senhor determina, isto é, sendo-lhe completamente submisso. Jesus prega o Evangelho do Reino porque conhece o problema principal do homem: a sua independência para com Deus. Na independência está implícita a Rebeldia. E o evangelho do reino ataca a causa, levando o homem à dependência do Senhor e, conseqüentemente, a torná-lo salvo e regenerado. O evangelho do reino é a única maneira de recuperar um rebelde.
II. Princípio Satânico
    "O arcanjo transformou-se em Satanás quando tentou usurpar a autoridade de Deus, competir com Deus, e assim se tornou um adversário de Deus. Foi a rebeldia que provocou a queda de Satanás" (Is 14.12-15; Ez 28.13-17). A intenção de Satanás de estabelecer o seu trono acima do trono de Deus foi o que violou a autoridade do Senhor. O princípio de rebelião é passado a todos os homens depois da queda de Adão. Este princípio o Senhor abomina: é como feitiçaria.
    Sempre que alguém peca contra a autoridade de Deus, peca diretamente contra o Senhor. Não podemos permitir espaço para rebeldia em nossas vidas. Temos que vivê-las em completa santidade, assim como Jesus, que em nada foi rebelde ao Pai. Ele vivia, como vive, para agradar ao Pai e em tudo lhe ser submisso.
III. Autoridade Delegada: Rm 13.1
    O princípio de autoridade delegada é que rege todas as relações do homem com o homem, bem como do homem para com Deus. Todas as coisas estão debaixo deste princípio, nada está solto. Este é um princípio de ordem e paz, nunca de confusão. Deus assim criou todas as coisas , mas ao rebelar-se, Lúcifer gerou a confusão. E, pior, está levando todos os homens a viverem debaixo do princípio de rebelião.
    Como funciona o princípio de autoridade delegada? Na Trindade temos que o Pai é igual ao Filho, que é igual ao Espírito Santo. Na essência os três são iguais. Todavia, o Pai, o Filho e o Espírito Santo são diferentes nas funções.
    O Pai enviou o Filho (Jo 4.34).
    O Filho veio (Jo 16.28).
    O Filho foi obediente ao Pai (Jo 8.29).
    O Filho enviou o Espírito Santo (Jo 15,26;14.26).
    O Espírito Santo veio (At 2.16-17).
    O Espírito Santo é obediente ao Filho (Jo 16.12-15).
    A Trindade é a fonte de toda a verdade. Este princípio divino é encontrado em todas as relações estabelecidas por Deus. Temos que numa família o pai é igual â mãe, que é igual aos filhos. O ocorre que na família, o pai é o cabeça e a mãe a ajudadora. Eles são iguais, têm o mesmo valor para o Senhor, mas têm funções diferentes.
    Há uma tendência de se pensar que se submeter é ser inferior. Jesus nunca foi inferior ou menor que o Pai pelo simples fato de lhe ser submisso. Pelo contrário, Jesus Cristo tem o nome que está acima de todo nome (Fp 2.9). Temos que entender que entre iguais há uma relação de autoridade e submissão. Isto faz parte da ordem divina. As autoridades delegadas estão em todas as áreas de nossas vidas. Um discípulo do Senhor deve, onde estiver, procurar saber quem é a autoridade delegada para a ela se submeter.
A. Deus Delega Autoridades em Todas as Áreas da Vida:
  • Civil: Rm 13.1-3.

  • Trabalho: Ef 6.5-6; Tt 2.9-10; 1 Tm 6.1-2.

  • Família: Ef 5.22-24; 6.1-4.

  • Igreja: 1Co 12.28
Todo discípulo do Senhor, onde estiver, procura saber quem é a autoridade, para a ela se submeter. Não há espaço para o "super-espiritual".
B. O Problema do Super-Espiritual:
Quem é este ? É aquele que aparenta espiritualidade, mas esconde uma grande rebelião e que traz muito dano ao corpo de Cristo. O super-espiritual costuma dizer: "Eu só obedeço a Cristo, o Senhor. Não estou sujeito a nenhum homem!" Isto é loucura. Toda vez que se diz "Deus, quero te obedecer", o Senhor responde bem claro e preciso: "Ótimo! Então, obedeça ao teu marido, teu pai, teu chefe, teu pastor!" Aí aparece o super-espiritual declarando: "Não, eu só obedeço ao Senhor, a ninguém mais. Só obedeço o que tu me falares pessoalmente!" E, o Pai, responde com toda firmeza: "Mas o meu desejo é que me obedeças através deles". Regularmente escutamos esta outra resposta: "Você não sabe quem é o meu marido, pai, chefe". Ou ainda: "Meu marido é um alcoólatra, meu pai é incrédulo…"
É inadmissível declarar obediência a Deus e não às autoridades por Ele delegadas. Sempre que obedecemos às autoridades delegadas estamos submissos a Deus, estamos agradando ao Pai. Obedecer somente quando se concorda não é espírito de submissão. É rebeldia e independência. Importa que, concordando ou não com a ordem, a obedeçamos de coração. É assim que se age perante Deus.
Enquanto não reconhecemos as autoridades delegadas sobre nós, não chegaremos à maturidade nem ao alvo. Precisamos de guias que nos levem pelas mãos, para que não fiquemos no caminho, sem atingirmos o alvo: "...jazem nas estradas de todos os caminhos, como o antílope na rede" (Is 51.17-20). Os homens esperam que a igreja apareça e os tome pelas mãos, guiando-os, levando-os pelo caminho em que devem andar.
IV. Submissão, um Princípio de Deus
A. O que é Submissão? 
Não é mera obediência externa, nem tão pouco quando controlado. Submissão é prestar obediência inteligente a uma autoridade delegada. É exteriorizar um espírito submisso, mesmo quando ninguém está por perto. É renunciar à opinião própria quando se opõe à orientação daqueles que exercem autoridade sobre nós.
Quando é que aprendemos o que é a submissão? Quando é que nos convertemos? Quando aceitamos o senhorio de Cristo sobre nossas vidas. Quando verdadeiramente renuncio a tudo o que tenho, nego a mim mesmo , tomo a cruz e sigo ao Senhor. Sigo submisso às direções e orientações que recebo das autoridades delegadas. "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus", "antes a si mesmo se esvaziou"... "a si mesmo se humilhou", "tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz" (Fp 2 5-8). Só existe um caminho para a submissão, andar como Cristo andou (1Jo 2.6). Ele é o nosso modelo. E, "embora sendo Filho (Jesus homem), aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu" (Hb 5.8). 
Sem submissão jamais chegaremos ao alvo. Nem estaremos sendo cooperadores do Senhor. Se alguém é independente, rebelde, não é membro do corpo, pois sendo membro será sempre dependente, submisso. Como pode um membro subsistir no corpo se não se submeter às ordens da cabeça? Assim também nós não podemos subsistir no corpo de Cristo se não formos sujeitos as autoridades delegadas. Quando uma mulher não se submete ao seu marido, ou quando um filho não obedece ao seu pai, ou quando o empregado não acata a ordem de seu chefe, ou quando o discípulo não se submete aos autoridades, é porque estão cheios de si mesmos. Quem está cheio de Cristo está cheio de obediência. O evangelho do reino aniquila com a independência do homem, bem como com a rebeldia: faz do homem um Ser submisso.
B. Os Frutos da Sujeição.
Quando o homem vive no princípio de submissão às autoridades delegadas por Deus, ele desfruta de benefícios desejados por todos os homens, a saber:
  1. paz, ordem e harmonia no corpo de Cristo;
  2. edificação e formação de vidas;
  3. unidade e saúde na igreja;
  4. cobertura e proteção espiritual.
V. Autoridades Delegadas na Igreja.
    A igreja de Cristo é governada por Cristo e, não, pelo povo. Não existe democracia na igreja, porque a igreja não é do povo, é de Deus. O que existe é a teocracia: o governo de Deus através de suas autoridades delegadas.
    É impossível edificar a alguém que não se submete à autoridade. Não há nada mais frustrante do que apascentar "cabras e bodes". Um filho espiritual obedece naturalmente.
A. Quem são as Autoridades Delegadas na Igreja?
    1. Cristo : Ef 1.20-22.
    2. Palavra : Mt 7.24; Jo 15.10; Cl 3.16-17. Ninguém pode dizer que é submisso a Cristo e sua igreja se não obedece à palavra do Senhor.
    3. Apóstolos : At 2.42; 20.17; 2Ts 3.4,6,10,12; 2Co 11.34; 16.1; Tt 1.5. Os apóstolos determinavam a doutrina e usavam amplamente a autoridade que Deus lhes havia outorgado. A igreja continua necessitando desse ministério. Continua precisando que os apóstolos ordenem tudo, estabeleçam o reino de Deus com clareza e firmeza.
    4. Pastores : Ef 4.11, 1Tm 5.17. Estes, como os apóstolos, profetas e evangelistas, são ministérios específicos de governo e têm a responsabilidade de manterem o ensino, a visão, a doutrina sempre firmemente claros, cuidando para que não percam sua consistência, e fiquem fofos.
    5. Paterna : Ef 5.22-24; 6.1-3; 1Co 11.3. O homem é o cabeça, autoridade delegada por Deus no seu lar, isto porque o Senhor assim o constitui para o desenvolvimento harmônico da família. O homem não deve ser "ditador" nem tão pouco um "frouxo". Ele deve ordenar, governar sua casa dentro dos princípios divinos, com amor. O cabeça deve sempre procurar escutar o ponto de vista de sua esposa. E a mulher deve deixar com o marido a responsabilidade da decisão. A mulher e os filhos precisam da proteção e da autoridade do esposo e pai em todas as áreas de suas vidas. É assim que Deus determinou, mesmo que ele, marido ou pai, seja incrédulo.
    6. Guias : 1Co 16.16; 1Ts 5.12-13; Hb 13.17. Todos devem estar ligados por "juntas" ou "ligamentos", no corpo de Cristo (1Co 12.12-13). São estes que nos unem ao corpo, nos presidem e nos fazem conhecer as ordens do cabeça, nos ensinam e nos conduzem, guiando-nos no caminho do Senhor , sem necessariamente serem pastores. Isto faz um corpo coeso e firme.
    7. Uns Aos Outros : Ef 5.21; 1Pe 5.5. Isto embeleza a casa de Deus. Livra a igreja de uma hierarquia religiosa. Todos se comunicam entre si compartilhando a palavra do Senhor, aconselhando ou mesmo corrigindo uns aos outros.

B. Estar Sob Autoridade Realça a Personalidade 
Ser submisso não aniquila, nem castra a personalidade de ninguém. Pelo contrário, realça a vida de qualquer um. Cristo foi o tempo todo submisso, humilde, sempre servindo. E o que ocorreu com Ele? Jesus Cristo recebeu o nome que está acima de todo nome (Fp 2.9).
"As palavras que vos digo não vos digo por mim mesmo" (Jo 14.10). Os escribas eram "papagaios", mas Jesus tinha autoridade porque estava sob a autoridade do Pai (Mc 1.22). A autoridade que tinha para perdoar os pecados vinha da submissão ao Pai (Mc 2.10). A autoridade dinâmica que Jesus teve extrapolou as tradições. Teve coragem para isto, porque estava sempre sob a autoridade do Pai (ex.: os cambistas no templo, Jo 2.13-16).
Deus quer uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus, por isso nos coloca a todos sob o seu princípio de Autoridade e Submissão. Aleluia!
VI. Qual é o Propósito da Autoridade na Igreja?
Para cumprir a grande comissão: "Ide, fazei discípulos…" (Mt 28.19-20). A autoridade está para ensinar, educar na justiça, instar, aconselhar, ordenar, corrigir, consolar, repreender, disciplinar, animar e abençoar (2Tm 2.2; 3.14-17; 4.1-4; Tt 2.11-15; 3.8-11).
VII. Ser Autoridade Delegada Por Deus
    Somente aquele que está sob autoridade na igreja poderá receber autoridade. Não é possível ser autoridade e ser independente. O exemplo é o que respalda a autoridade.
    No mundo, "os governadores dos povos os dominam" e "os maiorais exercem autoridades sobre eles" (Mt 20.25). Além do mais, são sempre servidos. No Reino de Deus, paradoxalmente, é bem diferente: a autoridade é para servir: "quem quiser ser grande entre vós. será o que vos sirva" (Mt 20.26-27). A motivação da autoridade deve ser sempre o serviço. Não podemos usar a autoridade que recebemos em benefício próprio.
VIII. Conclusão
O princípio da autoridade deve ser respeitado e vivido quotidianamente, pois é um princípio de Deus que, praticado, é uma bênção. Abandonado, não respeitado, poderá redundar em maldição. Davi, submisso à autoridade de Deus, foi, por Ele, considerado o homem segundo o seu coração. Foi uma bênção.


"Todo homem esteja sujeito ás autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas." Rm 13.1.*****

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Reunião de Obreiros: Pastor-presidente, José Lins, realiza reunião de Obreiros da Assembleia de Deus Ebenézer, no próximo dia 11 de março

24.02.2017
Postado por Pr. Robenildo Lins

Leia o edital de Convocação: 

*****

Um carnaval de euforia ou de alegria?

24.02.2017
Do portal ULTIMATO ON LINE
Por Jean Francesco*

A humanidade vive em busca da alegria, do prazer e da tal felicidade. O carnaval, festa tradicional do povo brasileiro, está às portas e, com isso, cresce a ansiedade de milhões de brasileiros a fim de experimentarem mais alguns momentos alegres na vida. Estas duas coisas — a busca humana e o carnaval — proporcionam um debate muito importante no que diz respeito ao significado da alegria. O que é alegria e como alcançá-la?

Antes de tudo, façamos uma diferenciação entre alegria e euforia. O termo euforia foi utilizado pela primeira vez em 1875 para referir-se ao contentamento experimentado pelos viciados em morfina. Hoje, tal expressão ganhou um sentido menos clínico e mais social. Podemos dizer que euforia é um sentimento de “alegria” e “bem-estar” que alguém experimenta quando condicionado a um determinado ambiente. Por outro lado, na perspectiva bíblico-cristã, alegria é uma experiência interna do coração condicionado essencialmente a uma relação íntima com Deus, apesar dos ambientes externos.
Em outras palavras, euforia é um sentimento que acontece de fora para dentro; é gerado por fatores externos como festas, bebidas, drogas, e um ambiente favorável para o acender das emoções. Alegria é um sentimento que acontece de dentro para fora; é gerado por Deus no coração humano possibilitando tal pessoa a desfrutar do contentamento dentro de quaisquer ambientes e apesar deles. Assim, que tipo de sentimento milhões de brasileiros estão em busca neste carnaval e na sua vida como um todo? De fato, acredito que todos nós buscamos a verdadeira alegria, mas somos enganados pelo nosso próprio coração e pelo sistema anti-Deus da nossa era que só nos oferece euforia.
No entanto, na perspectiva bíblica e cristã, a alegria é possível. Por exemplo, no Salmo 126 encontramos ao menos seis indicações de alegria: “ficamos como quem sonha”, “nossa boca de encheu de riso”, “estamos alegres”, “a nossa língua se encheu de júbilo”, “com júbilo ceifarão”, “voltará com júbilo”. É muita alegria. Parece que o poeta diz: “alguém me belisca, parece que eu estou sonhando!” Qual é a origem desta alegria? E a resposta é: Deus, pois é o autor da alegria. Mas alguém poderia retrucar: “Deus é um conceito abstrato e transcendente, como ele pode proporcionar alegria para seres humanos de carne e osso?” O texto oferece pelo menos três insights valiosos que respondem a esta pergunta.
Primeiro, a alegria é possível por meio daquilo que Deus já fez em nós e por nós. O texto é claro ao dizer: “… grandes coisas fez o Senhor por nós; por isso, estamos alegres”. No caso de Israel, os grandes feitos de Deus estão relacionados à libertação da escravidão, tirando-os das mãos de Faraó no Egito e, na situação vivencial do salmista, no retorno do povo à Jerusalém após anos de opressão na Babilônia. Em nosso caso, como cristãos, somos alegres pelo que Jesus fez definitivamente por nós na cruz, onde ele arrancou o Egito e a Babilônia de nós, cancelando o nosso passado de opressão.
Segundo, a alegria é possível por meio daquilo que Deus faz em nós e por nós. O salmista continua dizendo: “então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o Senhor tem feito por eles”. Passado e presente interligados. No caso do povo de Deus, isso se refere à reconstrução da nação israelita, seus muros, sua economia e sua espiritualidade. Em nosso caso, diz respeito à ação divina em nós diariamente pela mediação do Espírito Santo, o qual reconstrói todas as dimensões da nossa vida com o passar do tempo.
Terceiro, a alegria é possível por meio daquilo que Deus ainda fará em nós e por nós. O poeta afirma: “Restaura, Senhor, a nossa sorte, como as torrentes no Neguebe”. Passado, presente e futuro interligados. O Neguebe era um deserto seco o ano inteiro que, contudo, por vezes recebia inundações causadas por grandes chuvas. O povo de Deus pede a mesma coisa, água viva fluindo através de nossos desertos. Nesta vida experimentamos desertos de tristezas e dor, mas há uma promessa futura que nos torna contentes apesar do ambiente do sofrimento, é a esperança da vinda de Jesus e, consequentemente, da restauração de toda a criação.
Por fim, pare um minuto e pergunte a si mesmo: vivo de euforia ou experimento a realidade da alegria? O carnaval pode ser um tempo de reflexão para os cristãos — que geralmente estão em acampamentos — para definir qual é realmente a fonte e o meio de apropriação da verdadeira alegria. Que seja assim com você, leitor; não seja mais um no desfile da euforia, entre para a escola da alegria.

  • Jean Francesco é pastor da Igreja Presbiteriana da Penha (SP). 

*****
Fonte:http://ultimato.com.br/sites/jovem/2017/02/24/um-carnaval-de-euforia-ou-de-alegria/

Congresso aprova e todos os brasileiros serão identificados por um chip

24.02.2017
Do portal GOSPEL PRIME, 22.02.17
Por Jarbas Aragão

 Dados farão parte de um cadastro mundial, promovido pela ONU

Desde 2008 se falava sobre a criação de um cadastro único, que unisse dados biométricos e civis, como RG, Carteira Nacional de Habilitação e o título de eleitor, em um único documento: o Documento de Identificação Nacional (DIN). A nova documentação traz todas essas informações em um chip, igual aos usados em cartões de crédito e bancários.
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (21) o projeto de lei do Executivo e agora será enviada ao Senado, onde deverá ser aprovada. Segundo o relator, Júlio Lopes (PP/RJ), após uma fase de adaptação, a nova identificação substituirá todos os documentos, com exceção do passaporte e da carteira de motorista (porque são provisórios).
Aos poucos, pelo projeto, deixarão de existir, na forma física, por exemplo, a carteira de identidade, o título de eleitor, o PIS e o Pasep.

O DIN será emitido pela Justiça Eleitoral, ou por delegação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a outros órgãos. Ele já contará com o cadastramento biométrico realizado para a confecção dos novos títulos de eleitor no ano passado.
Impresso pela Casa da Moeda, a base da identificação será o CPF, que é um registro único. Os outros documentos serão validados no DIN, que oferecerá um número de cadastro novo, o RIC (Registro de Identificação Civil). A meta é substituir as carteiras de identidade, hoje a cargo dos estados e que possibilitam que uma mesma pessoa possua várias.
A homologação do DIN substituirá a proposta do novo modelo de RGs que também contaria com o uso de um chip. O DIN será emitido com base na Identificação Civil Nacional (ICN), criada pelo projeto com o objetivo de juntar informações de identificação do cidadão.

Banco de dados mundial

O motivo da retomada desse cadastro, que fora prometido no governo Lula, é o fato do Brasil ter assinado e estar promovendo os 17 novos “Objetivos Globais” que a ONU lançou em 2015.
Na proposta 16, que atende pelo nome genérico de “Paz” está o compromisso de cada nação em fazer cartões de identificação biométricos de cada homem, mulher e criança no planeta até 2030. Já existe uma base de dados central em Genebra, Suíça, que fará o controle dos dados. Chama-se Plataforma Única de Serviços de Identidade (UISP, na sigla em inglês). Com informações de G1  e UOL
*****
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/congresso-brasileiros-identificados-chip/

Primeira Santa Ceia em Sítio Ouro Preto,em fotos

24.02.2017
Postado por Pr. Robenildo Lins


Ev. Rodrigo Moraes, ora pela consagração do pão

Pr. Robenildo Lins, fazendo a leiutra da Palavra de Deus, com toda a igreja

Pr. José Lins, pastor-presiente da Ebenézer em Pernambuco, ministrando a Palavra de Deus





Deus é fiel em Suas promessas. Grandes coisas tem feito o Senhor.













quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Santa Ceia na Congreção em Jardim Atlântico, Olinda

22.02.2017
Postado por Pr. Robenildo Lins



*****

Irineu Messias: Ele fez tanto por mim!

22.02.2017
Do blog VERSOS DE GRATIDÃO, 14.11.2015
Por Irineu Messias

702e6-clipboard02_22

Ele fez tanto por mim

Mas minhas palavras tão insuficientes são…
Que desejo e não consigo escrever, o mais lindo e belo poema,
No qual revelaria, na inspiração de minha poesia,
 Como é emocionante sentir tudo isso
No meu humano coração,
Esta divinal alegria,
Que é a presença de Deus
Pela intimidade com o Senhor Jesus Cristo!

Ele fez tanto por mim.
Esta é a sublime razão de eu existir,
Neste momento; neste momento, sim;
Quero adorá-Lo com todas as forças de minha alma,
Com toda a inteireza de meus pensamentos!

Ele fez tanto por mim
Abriu meus cegos olhos,
Com Sua divinal e majestosa Luz;
Deu-me Seu fardo tão suave,
Perdoou todos os meus pecados
E até ao maldito Calvário, levou aquela minha rude cruz!
Ali me libertou do cruel e infame Inimigo;
Ele sofreu todo meu castigo!

Já não sou mais, por sua Graça infinita, um homem escravizado;
Ele amou muito e intensamente a minha pecaminosa vida,
Deu-me uma nova bússola para uma santa e nova trilha.
Ele me fez assentar aos seus divinos pés,
Como um dia assentou-se o geraseno liberto e muito feliz!

Ele me quis…
Assim do jeitinho que eu era e já não mais sou,
Porque seu Santo Espírito, meu Santíssimo Ensinador,
Milagrosamente me transformou,
Pela força do Seu eterno e infinito amor!

Ele meu quis…
Mesmo sendo eu tão pequenino,
Como um grão de areia à beira do mar;
Assim mesmo me procurou e me achou tão perdido,
Ele me escolheu para me amar!

Por isso O amo, com todas as forças que há no meu ser,
E meu sincero e profundo desejo,
É dEle nunca mais me afastar e jamais dEle me perder!
 Para mim isso é profundamente esplêndido,
Tão cheio de Sua Graça e imensamente maravilhoso
A minha alma de alegria, chora e O adora,
E meu espírito se enche de tanto gozo!

Ele fez tanto por mim,
Que às vezes, nem sei como plenamente Lhe agradar,
Minhas lágrimas constantes de prazer, é que falam agradecidas por mim…
Diariamente, penso no Céu, onde agora Ele está,
À destra do Amado Pai Celestial,
Que O Enviou lá do Alto, num gesto infinitamente amoroso.
Ah! Como me sinto tão agradecido,
Por ser tão amado e tão querido
Por um Deus, que é o Único e  Verdadeiro,
Cheio de tanto amor,
Ele é o Todo-Poderoso!

Ele faz tanto por mim
Que minha vontade imensa,
Meu desejo sincero é poder agora,
Ir-me pra sempre para o seu Reino de luz,
Mas Ele me diz como disse para o liberto geraseno,
Que ainda devo ficar neste mundo terreno;
Anunciando tudo que Deus, o meu Senhor, fez por mim.

Se assim é Sua soberana Vontade,
Espalharei todas Suas Verdades;
Pregarei Sua Palavra que tanto tem enchido
Minha alma de Sua Luz.
Agora sou um homem muito feliz;
Assim Ele quis.

Carregarei com alegria, todos os dias, a minha cruz,
Pelo grande amor que por Ele, eu sinto tanto,
Derramando em mim por Seu Espírito Santo;
Ele me ama tanto…
Ele é o meu Deus,
Ele é o meu amado Senhor Cristo Jesus!
****
Fonte:https://versosdegratidao.wordpress.com/tag/irineu-messias/

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Ex-gangster japonês agora serve a Cristo: “sei o quanto fui perdoado”

21.02.2017
Do portal GOSPEL PRIME
Por Jarbas Aragão

Pastor Tatsuya Shindo já batizou mais de 100 pessoas

O sindicato Nacional Yakuza Sumiyoshi-kai, ou simplesmente Yakuza, é a maior organização criminosa do Japão. Seus membros estão envolvidos em todos os tipos de contravenção, muitas vezes incluindo assassinatos.
Quem olha para Tatsuya Shindo não imagina que até alguns anos atrás ele vendia drogas nos arredores de Tóquio e teve várias passagens pela prisão. As tatuagens que cobrem o seu corpo são uma marca indelével de uma outra vida, mas ele está diferente por dentro.
“Eu sei as coisas ruins que fiz”, desabafa, “Ao mesmo tempo, sei o quanto fui perdoado por Deus. Então, eu resolvi me envolver na obra de Deus”.
Shindo se envolveu com drogas na adolescência, logo após a separação de seus pais. Logo entrou para uma facção da Yakuza, que gosta de fazer seus membros se sentirem parte de uma família, nos moldes da máfia italiana. Dento de pouco tempo se tornou líder de uma gangue.
Foram sete julgamentos e três períodos na cadeia, o primeiro quando tinha 22 anos. Na última sentença que cumpriu, 10 anos, ele já lia a Bíblia que ganhara.
Aos 45 anos, ele conta que viu muito sangue, testemunhou muitas mortes. “Quando ele voltou [da prisão], se desculpou e disse: Eu sobrevivi por você, mãe”, conta Yoshimi Shindo. “Quando ouvi essas palavras, decidi esquecer tudo o que aconteceu no passado. E agora estou muito feliz”.
Dentro de pouco tempo, pediu à mãe ajuda para encontrar um lugar para começar uma igreja.
Ela ofereceu o espaço do seu bar de karaokê, onde ele trabalhava. Pareceu a escolha mais natural. No início, apenas 10 pessoas participaram, mas atualmente o espaço do bar foi totalmente reformado para hospedar a igreja, que reúne mais de uma centena de adoradores. Hoje pastor, o ex-gangster prega para a palavra de Deus para todos os interessados, incluindo muitos ex-membros de gangues.
“Muitas pessoas com origens diferentes vêm aqui. São os divorciados, os falidos e os sem esperança”, revela. “Há também os pais que têm crianças desaparecidas, aqueles cujos filhos estão na cadeia, ou ex-detentos que foram abandonados pela família. Este é um lugar para reiniciar sua vida.”
A mãe diz que ainda ri quando ouve as pessoas chamar seu Tatsuya de sensei, ou sábio professor. “Acredito que a vida de meu filho retrata como Deus pode nos dar um fim surpreendente”, disse ela. O pastor Shindo batizou cerca de 100 pessoas, a maioria delas conseguiu abandonar o submundo do crime japonês e hoje servem a Jesus.
Após sua conversão, Shindo escreveu dois livros: o autobiográfico “ You Can Always Start Over” [Você pode sempre recomeçar] e “The Mafia’s Minister’s Street Talk” [O ministro da máfia fala], que é uma compilação de palestras. Com informações God Reports
*****
Fonte:https://noticias.gospelprime.com.br/testemunho-ex-gangster-japones-perdoado/

2º Culto do Reencontro com o Pr. Robenildo Lins

21.02.2017
Do canal da ASSEMBLEIA DE DEUS EBENÉZER, no youtube, 21.12.2016

   
***** 
Fonte:https://www.youtube.com/watch?v=HsBzem9lMp4

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Um novo começo para a história da minha vida e da minha família. Toda glória para Deus

20.02.2017
Por Pr. Robenildo Lins 


A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo
Pastor Robenildo Lins e sua esposa, Ana Lins


Paz do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Começo assim o meu agradecimento a Deus:

- Sou o pastor Robenildo Lins Ramos, casado com Ana Lins e pai de Robenildo Lins Ramos Júnior e Nathany da Silva Lins Ramos. E nós com 21 anos de casados. Até aqui tem nos ajudado o Senhor.

 
Nathany da Silva Lins Ramos, 20 anos

Robenildo Lins Ramos Júnior, 17 anos.

Um pouco de minha história

No ano de 1981, fiz minha confissão de fé na Assembleia de Deus em Abreu e Lima. À época, o Ministério era presidido pelo saudoso pastor Isaac Martins no antigo templo-sede.

Eram tempos muito difíceis. Porém, de muito aprendizado para nós, Hoje estamos de pé por conta de termos tido naquela ocasião, um pastor, um pai e um amigo. Ele sabia cuidar bem das suas ovelhas e das igrejas,

O seu exemplo ainda hoje é seguido por muitos, inclusive por nós. Mesmo em um período de muita dificuldade financeira, o pastor Isaac Martins tinha a preocupação com o social da igreja. Lembro como se fosse hoje, que em frente ao templo-sede da Assembleia de Deus, havia o colégio Neusa Rodrigues onde eu tive o prazer de ser aluno.  No colégio eram distribuídas sopas para os irmãos carentes e para toda a comunidade de Abreu e Lima, bem como roupas que vinham de países europeus. (O pastor Isaac não levava nada para fora do país. Ele trazia de fora para os irmãos).

Eu e minha família fomos alimentados e vestidos, muitas vezes, por muitos anos, graças à ação social da igreja com os irmãos, que até hoje serve de exemplo para a minha vida.

Eu fui crescendo nos ensinamentos de um homem de Deus e de um pai dedicado à família e a Deus.

Houve um período em minha vida, ainda na infância, em que eu quis esquecer. Deus, no entanto, certa vez, fez-me lembrar em um sonho em que acordei chorando. Tive que sair da cama para que minha esposa não percebesse minhas lágrimas.  
Houve um momento em que meu pai, com quatro filhos pequenos, passou quatro anos e meio desempregado. Nesse período, passamos uma grande prova de pão (fome). Muitas vezes, tive a tristeza de ver esse GUERREIRO em prantos orando a Deus por nós. Ele nunca parou um só momento de lutar pela família e nos incentivou a correr atrás do pão de cada dia, com dignidade. Princípios que ficaram marcados em todos os seus filhos.

A dor de ter sido injustamente acusado, recentemente, foi ainda maior em razão dos ensinamentos que herdei de meu pai. Grande foi a decepção de ter  sido caluniado por alguém que em um dia eu me espelhei, e que não me  deu o direito de defesa.

Pastor Lins
Mas hoje sei que isto tudo aconteceu porque Deus permitiu para que uma nova obra fosse iniciada para a honra e a glória do Senhor Jesus Cristo.

A Vila de Caetés III  estava em construção e o meu pai, este homem  guerreiro,  teve uma ideia de construir cercas de bambu. Ele, minha mãe eu e meus irmãos, fomos à mata donde tiramos bambu para fazer a primeira cerca e os vizinhos gostaram e passaram a encomendar. Fizemos tantas cercas que se acabaram os bambus ( kkkk ).

Nesse tempo bom de aprendizado e formação do caráter, eles nos conduziam sempre aos círculos de oração, de segunda e sexta, onde já éramos conhecidos como os Canarinhos de Cristo.
Com o fim da safra do bambu, Deus nos deu outra direção.

Existiam muitas casas de taipa, que precisavam de reparos e milagrosamente, meu pai aprendeu a consertá-las. Agora não buscávamos mais bambus e sim madeiras.  

Lembro-me certa vez, que ele comprou uma manga rosa grande para nos alimentar. São lembranças desse tipo, que deixaram marcas forjadas por Deus,   que nos ajudaram a vencer as adversidades, nos fizeram mais fortes e com os pés firmes no Senhor.


Aos 12 anos, Deus me fez promessas no Círculo de Oração, em Fazendinha, que fica por trás do atual Hospital Miguel Arraes. O tempo passou, e na luta pela sobrevivência, vendi sandálias, verduras, pipocas e amendoim. Também fui prestanista, peão de construção, fabricante de blocos de cimentos e combogós. Experiências que passei com meus pais, e que me ajudaram na formação do meu caráter, como filho, como pai e como servo de Deus.
****