segunda-feira, 26 de junho de 2017

Assembleia de Deus: 106 anos

26.06.2017
Do portal da CPAD NEWS, 22.06.17
Por  Pr. Douglas Roberto de Almeida Baptista

A Assembleia de Deus, historicamente reconhecida, começa com a chamada de dois jovens suecos que aqui desembarcaram com a mensagem pentecostal.

Resultado de imagem para assembleia de deus 106 anos

 A chamada de Gunnar Vingren

No Diário do Pioneiro, Vingren (2000, p. 26) relata que enquanto pastoreava a Igreja Batista em South Bend, em determinado dia de 1910, Deus colocou no seu coração o desejo de orar na casa de certo irmão que se chamava Adolf Ulldin. A reunião aconteceu em um sábado à noite. Durante a oração, Deus revelou por meio do Espírito Santo que Gunnar deveria ir para o Pará.

Na profecia, o Espírito Santo também revelou que o pastor Gunnar se casaria com uma moça chamada Strandberg. Tempos depois, já no Brasil, em 16 de outubro de 1917, Vingren casou-se com Frida Strandberg. Acerca das impressões daquela noite, Vingren escreveu no diário: “Naquela ocasião tivemos o imenso privilégio de ouvir através do Espírito Santo a linguagem daquele povo, o idioma português” (Vingren, 2011, p. 27).

Como ninguém conhecia o lugar e nunca ouvira falar, no dia seguinte o pastor Gunnar Vingren disse ao irmão Adolf: “Vamos a uma biblioteca saber se existe algum lugar na terra chamado Pará” (Vingren, 2000, p. 27). Lá descobriram a localização do “Pará”. O mapa indicava o local logo ao sul da linha do Equador, na fronteira da selva quente e úmida. Tratava-se de uma região em um país na América Latina – o Brasil (Berg, 1995, p. 53).

A chamada de Daniel Berg

O Pastor Vingren conheceu Daniel Berg em 1909 em Chicago, Estados Unidos, por ocasião de uma Conferência na Primeira Igreja Batista de Chicago. Em 1910, Daniel Berg demitiu-se de seu emprego em Chicago e mudou-se para South Bend para auxiliar o pastor Gunnar Vingren.

Quando fazia já certo tempo que Daniel Berg estava em South Bend, os amigos sentiram um forte desejo no coração de orar na casa do irmão Adolf Ulldin. De acordo com Berg (1995, p. 53) a oração aconteceu na cozinha da residência. Durante a oração Ulldin teve novamente uma visão com a palavra “Pará”. Nesse dia Daniel Berg recebeu a confirmação de sua chamada missionária e que deveria acompanhar Vingren ao Brasil. Gunnar Vingren registrou em seu diário que Deus lhes revelara inclusive a data de embarque ao Brasil: “Isso tudo aconteceu no verão de 1910. E, Deus nos revelou a data de 5 de novembro de 1910” (Vingren, 2000, p. 28).

A viagem ao Brasil

Já a bordo do navio Clement (5/11/1910) instalaram-se na terceira classe. Com resignação receberam a notícia de que, por causa da greve dos estivadores, suas malas novas com as roupas leves não seguiriam com o navio. Chegariam ao Brasil apenas com a bagagem de mão, na qual estavam algumas poucas notas de pequeno valor e moedas avulsas (Berg, 1995, p. 59). Outra vez, as circunstâncias os ensinavam a depender inteiramente do Senhor. Eram também eles os únicos passageiros brancos a bordo, o que também não deixava de ser uma preparação para as atividades missionárias em terras brasileiras (Berg, 1995, p. 60).

Quatorze dias depois de sair de Nova York, o navio atracou no Brasil. Ao chegar próximo ao Porto do Pará, a embarcação não pôde atracar no cais por falta de espaço. O navio ancorou a certa distância e os passageiros foram transportados por pequenos botes a remo. Os botes paravam no cais, próximos a uma escada de pedra, a qual os passageiros tinham que subir. Era a tarde do dia 19 de novembro de 1910. O sol paraense aqueceu fortemente as roupas não apropriadas ao calor que vestiam os missionários.

A Igreja Batista em Belém

Os missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg eram membros da Igreja batista americana. Ao desembarcarem no Brasil, assim que tiveram oportunidade procuraram a Igreja Batista na cidade de Belém. Quando lá chegaram, foram muito bem recepcionados pelo evangelista Raimundo Nobre que era o pastor interino da Igreja. Foram residir em um porão alugado e após aprenderem a língua portuguesa, os missionários passaram a pregar a mensagem pentecostal entre os irmãos batistas.

            O batismo de Celina Albuquerque

Celina era professora da Escola dominical da Igreja batista em Belém e estivera por muitos anos enferma. Ao receber a cura divina pela intercessão dos missionários passou também a desejar o revestimento de poder. Após um período de oração Celina Albuquerque recebeu o batismo no Espírito Santo com a evidência inicial do falar noutras línguas. Depois de curada e batizada no Espírito, a irmã Celina foi afastada de sua função como professora por ter aderido ao movimento pentecostal.

            O desligamento da Igreja Batista

A controvérsia teológica gerada pelo batismo no Espírito Santo da irmã Celina Albuquerque culminou com o desligamento daqueles que aderiram ao movimento. Uma reunião extraordinária foi convocada pelo evangelista Raimundo Nobre - líder interino da Igreja Batista. Na reunião ele refutou o batismo e o falar em línguas e acusou os missionários de ensinarem falsa doutrina. Cerca de 18 irmãos batistas discordaram da posição do evangelista e então foram excluídos da comunhão e da membresia da Igreja.

Vingren (2000, p. 42) registra que a reunião extraordinária, convocada pelo evangelista Raimundo, aconteceu na noite de terça-feira de 13 de junho de 1911, quatro dias após o batismo da irmã Celina, quando já havia completado seis meses desde a chegada dos missionários ao Brasil.

A fundação da Assembleia de Deus

Após terem sido expulsos da Igreja Batista de Belém, os 18 irmãos excluídos e os missionários começaram a reunir-se na casa da família Albuquerque. A residência estava situada na rua Siqueira Mendes, 611, Cidade Velha, e passou a ser um local fixo para as reuniões. A nova Igreja recebeu o nome de Missão de Fé Apostólica. Esse era nome da Igreja outrora pastoreada por Seymour na rua Asuza em Los Angeles – berço do pentecostalismo contemporâneo. Segundo Berg (1995, p. 102), o início da obra deu-se cinco dias após terem sido expulsos da Igreja Batista. Era 18 de junho de 1911. É a partir desta data que celebramos o nascimento das Assembleias de Deus no Brasil.

O pastor Vingren assumiu como dirigente, e os demais irmãos dedicaram-se basicamente às mesmas atividades que exerciam na Igreja batista. Berg (1995, p. 102) informa que, além da recém-nascida Igreja, havia pequenos trabalhos espalhados pelos quatro pontos da cidade, onde os missionários também dirigiam os cultos. Ainda segundo Berg (1995, p. 103), o local de culto não era apenas um lugar onde as pessoas se dirigiam aos domingos. Os irmãos se reuniam para a comunhão uns com os outros. Reuniam-se para celebrar os aniversários ou nascimento de crianças. Também estavam juntos nos funerais. Desse modo alegrias e tristezas eram compartilhadas.

Parabéns Assembleia de Deus pelos 106 anos de história!

Douglas Roberto de Almeida Baptista


Referências

BERG, D. Daniel Berg: Enviado por Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.

VINGREN, I. Diário do Pioneiro: Gunnar Vingren. 5. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2000. 

******
Fonte:http://www.cpadnews.com.br/blog/douglasbaptista/o-cristao-e-o-mundo/151/assembleia-de-deus:-106-anos.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário