quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Os que abandonam a fé por causa da ciência devem saber que esta é vulnerável

07.02.2018
Do portal ULTIMATO ON LINE, 06.2013
Por Elben Cesar

Ridicularizam-se a Bíblia, a pregação do evangelho e a fé dos cristãos. Porém os cristãos em geral não ridicularizam – ou não deveriam ridicularizar – a ciência.

A ciência não é, necessariamente, inimiga da fé e vice-versa. Ambas não deveriam se digladiar. O que não impede que a fé não abrace todos os pressupostos da ciência e a ciência, por sua vez, faça o mesmo. É difícil dizer qual das duas impõe mais: se a fé ou a ciência. Mesmo que a ciência se torne às vezes soberba, a fé pode e deve ser convicta sem ser soberba.
 
Os cristãos que esfriam na fé ou abandonam a fé por causa de algum trunfo da ciência precisam saber que a ciência não é invulnerável, como também a religião, em si, não o é. O que é invulnerável em matéria de religião é a “fé que nos foi confiada como um dom a ser guardado e cultivado” (Judas 3, Bíblia Ave-Maria). No bojo dessa fé está o Criador, a criação, a necessidade de remoção do pecado, o nascimento virginal de Jesus, seu sacrifício vicário e sua ressurreição, a glória vindoura e a revelação.
 
São os próprios homens da ciência que alardeiam seus equívocos, suas limitações e até mesmo suas fraudes. O jornalista Hélio Schwartsman – um judeu ateu, como se declara –, em outubro de 2012, baseando-se na revista Ciência, diz que “a ocorrência de fraudes em pesquisas médicas cresceu dez vezes de 1975 para cá”. Ele receia que isso “seja apenas a ponta do iceberg do problema” (Folha de São Paulo, 5/10/2012, A2).

Duas semanas depois, o médico Drauzio Varella, mais conhecido por seus livros do que pelo seu consultório, cita a declaração de 150 anos atrás de Oliver Holmes, segundo a qual, “se toda a matéria médica, como hoje é empregada, fosse afogada no fundo do mar, seria muito melhor para a humanidade – e muito pior para os peixes” (Folha de São Paulo, 21/10/2012, E14).
 
Outro dia, Marcelo Gleiser, professor de física teórica nos Estados Unidos, no artigo intitulado "A terceira revolução copernicana" (Folha de São Paulo, 30/9/2012), listou uma série de descobertas científicas envolvendo o universo que foram sendo substituídas sucessivamente uma pela outra. Houve um tempo em que a ciência dizia que a Via Láctea era tudo o que existia. Pouco depois, outro cientista afirmava que a Via Láctea era apenas uma entre “centenas de milhares” de outras galáxias. Hoje – diz Gleiser – “sabemos que existem centenas de bilhões de galáxias”. A terra, o sol e a Via Láctea já foram considerados o centro do universo. A tendência hoje em dia é dizer que o nosso universo não é único, mas um entre incontáveis outros.
 
Na metade do século passado, dez mil recém-nascidos em todo o mundo, especialmente na Alemanha, nasceram com graves deformações, vítimas de um dos maiores erros da história da medicina. Só agora, cinquenta anos depois da tragédia, é que o laboratório Grünenthal, o fabricante da talidomida, pede desculpas ao mundo. Uma das vítimas brasileiras é presidente da Associação Brasileira de Portadores de Síndrome da Talidomida (ABPST). Cláudia Marques Maximino nasceu em 1962 sem as duas pernas e um braço. Ela é pós-graduada em recursos humanos.
 
Esses “novos horizontes” não surgem no terreno da fé: há mais de dois milênios não houve alteração alguma na “fé que os santos receberam de uma vez para sempre”. Essa herança de convicções religiosas não vem por meio de fatos matematicamente comprovados, como se tenta fazer na ciência. Ela é formada a partir de revelações da parte de Deus. Pela via científica ninguém acreditará, por exemplo, na concepção sobrenatural de Jesus, no perdão de pecados por meio do sacrifício vicário de Jesus, na ressurreição dos mortos, em novos céus e nova terra. Mas, pela fé, essas convicções podem e devem existir!
*******
Fonte:http://www.ultimato.com.br/revista/artigos/342/os-que-abandonam-a-fe-por-causa-da-ciencia-devem-saber-que-esta-e-vulneravel

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

A cura para um cristão desviado

06.02.2018
Do blog VOLTEMOS AO EVANGELHO, 29.01.13
Por John Thorn

O desviado de coração dos seus próprios caminhos se farta, como do seu próprio proceder, o homem de bem. (Pv 14.14)

a-cura-para-um-cristaos-desviado

Uma vida piedosa não é uma vida sem pecado, mas uma vida marcada por fé, obediência e arrependimento. O pecado é uma realidade contínua em uma vida piedosa, assim como o ato de mortificar o pecado. Embora nenhum cristão seja ou possa ser perfeito, ele pode ser maduro. E isso não apenas significa que na igreja nós teremos vários graus de maturidade e piedade, mas também que podemos ter alguns que não estão progredindo na fé, mas, de fato, retrocedendo nela.

O que é Desviar-se?

Todos os cristãos são pecadores, mas nem todos os cristãos estão se desviando. Para dizer de modo simples, um cristão desviado é aquele cuja comunhão com Cristo está definhando e cuja fé está se enfraquecendo. Eu compartilhei alguns potenciais sintomas de uma condição de desvio em uma postagem anterior neste site. Hoje, eu gostaria de direcionar-nos para a cura de um coração desviado.

Qual é a Cura?

“Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.” (Apocalipse 2.5)

A cura para um estado de desvio não é “deixar nas mãos de Deus”, tampouco se encontra em nossa própria atitude de nos “rededicarmos” a Deus. A cura para a nossa condição é o próprio Senhor Jesus. Ele é o Bom Pastor que restaura a alma. Ele busca e resgata aquele que deixou o rebanho. Ele mantém o crente em Sua mão e ela não perderá Sua firmeza. Ele completará a boa obra que começou em nós. Nosso grande Salvador faz aquilo que Seu título implica: Ele salva. Ele nos salva da nossa condenação, assim como de nossos desvios.

Mas é preciso agarrar-se à Cura e retornar para ela. Se nós vamos encontrar Nele a segurança do poder do pecado, então devemos olhar para Ele. Se você vê a si mesmo se afastando de Jesus, seja para uma religião vazia, imoralidade ou orgulho cego – uma vida vivida à parte do Salvador – então eu encorajo você a olhar novamente para Jesus. Aqui estão cinco breves palavras sobre o significado disso:

1. Identifique sua Condição Atual

Você não pode retornar a menos que perceba que se perdeu no caminho. Há alguns anos, enquanto eu lia o tratado de Plummer sobre “A Piedade Experimental e Prática”, Deus deixou bem claro para mim que eu havia caminhado para um tipo de trevas espirituais e precisava retornar para Ele. Deus usou aquele livro, alguns sermões e Apocalipse 2 para guiar-me de volta. Contudo, por um longo tempo, eu não estava sequer consciente de que me encontrava em um estado tão mau e, até que eu percebesse isso, não seria possível retornar. “Lembra-te, pois, de onde caíste” (Apocalipse 2.5).

2. Medite em Cristo e Sua Obra

Se nós devemos ser capturados pela glória de Jesus e levados a adorá-Lo por tudo o que Ele é e por tudo o que Ele fez pelos pecadores, então nós precisamos olhar para essas coisas repetidamente. Nunca é possível retornar para Jesus à parte da Palavra de Deus. Quando nós respondemos a Ele, estamos respondendo à Sua palavra. Nós nos encontramos em um estado de desvio porque, em parte, nós perdemos de vista a glória de Cristo. Então nós precisamos vê-la novamente. “Buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Colossenses 3.1-2).

3. Ore a Deus pela Graça da qual Você Necessita

O fato de que podemos retornar é graça. O fato de que nós vamos retornar é uma promessa feita por Deus! Você está consciente de sua condição? Você quer ser reavivado? Talvez você esteja tão frio que nem sabe se realmente o quer. Ore para que Deus faça aquilo que Ele prometeu e cure seu desvio. “Curarei a sua infidelidade, eu de mim mesmo os amarei, porque a minha ira se apartou deles. […] Os que se assentam de novo à sua sombra voltarão; serão vivificados como o cereal e florescerão como a vide” (Oséias 14.4,7).

4. Arrependa-se de Todos os Pecados Conhecidos

Como Martinho Lutero famosamente escreveu na primeira das suas 95 Teses, “Quando o nosso Senhor e Mestre, Jesus Cristo, disse ‘Arrependei-vos’, Ele fez um chamado para que a vida inteira dos crentes seja constituída de arrependimento”. Nosso problema freqüentemente começa quando esquecemos esse aspecto da vida do Evangelho. O desviado é alguém que se esqueceu da graça do arrependimento. O seu coração se tornou insensível ao seu pecado e ele perdeu de vista a sua desesperada e imediata necessidade por Jesus. Retornar para Jesus requer a dolorosa consciência do nosso pecado e o converter-se dele. “Arrepende-te e volta à prática das primeiras obras” (Apocalipse 2.5).

5. Volte-se para Cristo em uma Renovada Dependência

Aqueles que conhecem a Jesus conhecem um Salvador digno de confiança. Aqueles que se afastaram da comunhão com Ele perderam o senso de que dependemos Dele para receber a graça sustentadora. Nós perdemos a visão de como somos simplesmente necessitados da graça: graça para vir a Cristo, graça para manter-nos com Cristo, e graça para retornar a Cristo. Somente quando reconhecemos nossa atual condição, vemos as glórias de Jesus, buscamos o Senhor para receber graça e nos arrependemos de nosso pecado, é que retornamos ao nosso primeiro amor. “Portanto, dize-lhes: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Tornai-vos para mim, diz o SENHOR dos Exércitos, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Zacarias 1.3).

Tudo isso é apenas uma forma mais detalhada de dizer: “Arrependei-vos, e crede no evangelho” (Marcos 1.15). É para isso que Deus nos chama diariamente. Quando perdemos essa perspectiva, começamos a nos desviar.

*Joe Thorn é o pastor principal da Redemer Fellowship em Saint Charles, Illinois.
*****
Fonte:http://voltemosaoevangelho.com/blog/2013/01/joe-thorn-a-cura-para-um-cristao-desviado/?utm_source=inf-resumo-diario-ve&utm_medium=inf-resumo-diario-ve&utm_campaign=inf-resumo-diario-ve

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

ESBOÇO 828
TEMA: NÃO ADIANTA ESCONDER
TEXTO: “Ai daqueles que descem às profundezas para esconder seus planos do Senhor, que age nas trevas e pensam: Quem é que nos vê? Quem ficará sabendo? Isaias 29:15

Palavra do profeta Isaias a cidade de Davi “Jerusalém” dizendo que ai daqueles que escondem do Senhor os propósito e fazem as suas obras as escondidas, e pensam: E quem nos vê? E quem nos conhece? Esconder algo do Senhor era muito comum, como também das outras pessoas. O primeiro homem que tentou esconder-se de Deus foi Adão (Gn 3:9), mas alguém pode até interpelar, se Deus sabe por que ele perguntou a Adão onde estás? Há três atributos de Deus que revelam todas as coisas (Sl 139:8; Ob 1:4).

A onipresença de Deus
Confirma ele está em todo lugar ao mesmo tempo contemplando os bons e os maus (Jr 16:17; 23:24; Jó 31:4), as suas pálpebras vêem e odeiam todas as hipocrisias, pecados e maus pensamentos dos homens (Sl 11:4; Hc 1:13) os seus olhos estão em todo lugar (Pv 15:3; 2 Cr 16:9). Se Deus é onipresente porque perguntou a Adão onde ele estava? Para Deus nada melhor do que a confissão do próprio homem da sua condição espiritual perante ele, a resposta me escondi porque estava nu (Gn 3:8-11).

A Onisciência de Deus
Deus examina os corações e conhece perfeitamente o que há nele (Rm 8:27), nada é mais enganoso do que o coração do homem, quem poderá conhecer? (Jr 17:9), e o que confia no seu próprio coração é insensato (Pv 28:26), o coração faz plano, mas Deus é quem dá a última palavra  (Pv 16:1-3).

A Onipotência de Deus
Aquele que detém todo o poder, a soberania de Deus é o poder supremo sobre todas as coisas que estão nos céus e na terra, Deus é rei sobre todas as coisas (I Cr 29:11-12). Deus criou tudo a partir do nada (Gn 1:1), pendurou a terra por um cordão chamado nada e deu um giro nela e até hoje permanece girando.

O Poder de Jesus Cristo
O poder de Cristo é irrestrito sobre todas as coisas que estão nos céus e na terra (Mt 28:18), durante o seu ministério ele demonstrou essa autoridade, essa autoridade foi demonstrada durante o seu ministério com curas, ressurreições e sobre a natureza. O poder de Jesus Cristo revela todas as coisas (Mc 4:22; Lc 12:2; Rm 2:16; Hb 4:13). O Espírito Santo também penetra todas as coisas até nas profundezas de Deus (Jo 17:17; I Co 2:10).

    Ninguém tente esconder as maldades do seu coração, pois Deus tudo vê, ele conhece os nossos caminhos, o Senhor acompanha os caminhos dos homens (Pv 5:21; Jó 34:11, 21; Sl 11:4; Pv 16:2; Jr 17:10), Deus retribuirá a cada um segundo as suas obras (Jó 34:11; Rm 2:6; 2 Co 5:10). Tenhamos cuidado, ele virá como um juiz para julgar a cada um segundo as suas obras.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Pastor Elis Clementino: COISAS QUE DEUS ABORRECE

26.01.2018
Do blog ESTUDOS E SERMÕES BÍBLICOS
Por Pastor Elis Clementino

TEXTO: PROVÉRBIOS 6:12-19; TITO 3: 2

Resultado de imagem para pastor Elis Clementino fotosA boa conduta humana é ressaltada em toda Bíblia Sagrada para que o homem viva bem, mas é preciso observar princípios fundamentais estabelecidos por Deus. As advertências servem para todas as pessoas, independentemente de classes sociais, culturais e religiosas. Há muitos estudos a respeito do comportamento humano, pois é baseado nesses estudos que se encontra a possibilidade de melhorar a qualidade de vida das pessoas. O mau comportamento de um indivíduo reflete não somente na sua vida pessoal, mas família e nas pessoas com quem ele conviver, também tem a capacidade de influenciar em uma sociedade inteira. Há tipos de atitudes humanas que são danosas, e são também reprovadas por Deus (Pv 6:12-19).

A conduta do ímpio

O iníquo não tem compromisso com nenhuma confissão religiosa e nem para com Deus, “O homem mau, o homem iníquo tem a boca pervertida” (Pv 6:12), ele usa todos os meios para cometer seus pecados (Pv 6:13). O coração do ímpio é perverso e a todo tempo maquina o mal, além de semear contendas (Pv 6:14). Eles cometem pecados que estão entre as seis coisas que Deus odeia e a sétima a sua alma abomina (Pv 6:16), são elas:

(1) Olhos altivos ou elevados, arrogantes.
(2) Língua mentirosa (Pv 30:10,11);
(3) Mãos que derramam sangue inocente;
(4) Coração que maquina pensamentos perversos;
(5) Pés que se apressam a correr para o mal;
(6) Testemunha falsa que profere mentiras;
(7) E o que semeia contenda entre irmãos;
(8) Fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado (Sl 12:2). “Que ninguém a difamem, e não sejam briguentos, mas pacíficos, mostrando toda mansidão para com todos os homens” (Tt 3:2.)

As consequências para os ímpios

(1) São como o moinho que o vento espalha (Sl 1:4);
(2) Não subsistirão no juízo e nem os pecadores na congregação dos justos (Sl 1:5);
(3) O caminho dos ímpios perecerá;
(4) O Senhor cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que falarem soberbamente, mesmo eles achando que valha apena pecar e zombe do Senhor dizendo: “quem é o senhor sobre nós? (Sl 12:4), achando que eles prevalecerão com seus pecados.

Advertências para os justos

O Salmo primeiro descreve muito bem como devemos agir em relação aos ímpios, mas é preciso fazer como diz: Ata-os perpetuamente ao teu coração, e pendura-os ao pescoço ( Pv 6:21);
(1) Não andar segundo seus conselhos.
(2) Não se deter nos caminhos deles;
(3) Não se assentar na roda dos escarnecedores;
(4) Não seja companheiro do homem briguento, e nem andes com o colérico, para que não aprendas as suas veredas, e tornes um laço para a tua alma (Pr 22:24,25).

Características dos justos e as bênçãos sobre ele

(1) Ele tem prazer na lei do Senhor e nela medita de dia e de noite.
(2) Não se assenta na roda dos escarnecedores;
(3) Será como a árvore plantada junto a ribeiros de água;
(4) Produz fruto no tempo certo;
(5) A sua esperança está sempre verde e não cairão;
(6) E tudo quanto ele fizer prosperará.

Apesar de serem poucos os fiéis entre os filhos dos homens (Sl 12:1) existem aqueles que são justos e não seguem os caminhos dos ímpios, eles evitam todas as suas obras malignas praticadas por eles, estes receberão a benção do Senhor e a justiça do Deus da sua salvação, esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó (Sl 24:6). Evitemos as coisas que aborrece a Deus, principalmente o semear contendas entre irmãos. Em todo esse texto verificamos que as recompensas dos ímpios são inevitáveis, assim como as bênçãos divinas sobre os justos.
*****
Fonte:http://prelisclementino.blogspot.com.br/2018/01/esboco-826-coisas-que-deus-aborrece.html

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Professor muçulmano confisca folheto evangelístico de aluno e acaba se convertendo

25.01.2018
Do portal  CPAD NEWS, 24.01.18
Por Guiame/Com informações da Bíbles 4 Mideast

Quando o professor Davood pegou o folheto das mãos de seu aluno, não podia imaginar que aquela mensagem mudaria sua vida 

Professor muçulmano confisca folheto evangelístico de aluno e acaba se convertendo

O professor islâmico Davood* trabalhou durante anos ensinado a crianças sobre a doutrina do Alcorão em uma escola religiosa anexada a uma mesquita na África.

Um dia, ele flagrou um aluno com um folheto evangelístico. Enfurecido, ele exigiu saber onde o garoto havia conseguido aquele papel. O garoto explicou que recebeu o material de alguém desconhecido, a caminho do colégio. Davood pegou imediatamente o folheto das mãos do aluno e advertiu-o para nunca aceitar "tais escritos tolos" novamente.

Davood não jogou o folheto no lixo, mas ficou com o material, pensando em mostrá-lo aos líderes religiosos da mesquita e 'denunciar' o garoto. O professor acreditava que isto os levaria a descobrir quem estava evangelizando naquela região.

Como ele não conseguiu encontrar nenhum dos líderes quando o horário de aulas terminou, ele voltou para sua casa. Preparando-se para dormir naquela noite, ele novamente deu mais uma lida no folheto. Ele também queria ver "a insensatez que estava escrito ali".

Quando ele chegou à parte que afirmava não haver "salvação em mais ninguém, porque não há outro nome sob o céu dado às pessoas pelas quais elas possam ser salvas" algo - que ele não tinha certeza do que era - o impressionou e ficou preso em sua mente.

Naquela noite, Jesus - que os muçulmanos reconhecem como um "profeta" e não como salvador - veio a ele em um sonho.

"Eu sou o caminho e a verdade e a vida", ele anunciou a Davood no sonho. "Ninguém vem ao Pai Celestial senão por mim".

Quando amanheceu, o homem muçulmano voltou a ler o folheto evangelístico e encontrou um número de contato no verso do papel. O número era do telefone do Pastor Musthafa*, ligado ao ministério Bíblias para o Oriente Médio na África.

O líder cristão atendeu seu telefone e falou com Davood, que contou sua história ao pastor. Os dois puderam conversar e Davood teve muitas de suas perguntas respondidas, sendo conduzido posteriormente em uma oração para se entregar a Jesus e reconhecê-lo como seu Salvador pessoal e Senhor.

* Os nomes usados nesta matéria são fictícios para preservar a segurança das pessoas nela relatadas.
*****
Fonte:http://cpadnews.com.br/universo-cristao/42961/professor-muculmano-confisca-folheto-evangelistico-de-aluno-e-acaba-se-convertendo.html

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Pastor faz alerta contra fofoca na igreja: “Lembre-se que o diabo é o acusador”

24.01.2018
Do portal GOSPELMAIS
Resultado de imagem para fofocas na dentro da igreja

O pastor americano e autor de vários livros, J. Lee Grady, publicou um significativo alerta para os cristãos chamando atenção para os perigos e efeitos nocivos da fofoca na igreja. Segundo o líder, a Bíblia faz várias advertências sobre esse mal, mas muitos têm ignorado isso, se comportando como se estivessem “fazendo o trabalho do diabo”.

Grady tocou em um assunto que atualmente, devido ao acesso à internet e a proliferação de mídias digitais, têm sido cada vez mais frequente. A fofoca que o pastor se refere não se restringe apenas ao ambiente do templo, na comunidade religiosa da qual o cristão faz parte, mas também ao meio onde vive, incluindo a sociedade e todos os fatos relativos à ela.

Um ponto em destaque no alerta de Grady é o fato de cristãos se colocarem uns contra os outros. Ele explica que essa é a intenção de Satanás:

“Lembre-se de que o diabo é que é chamado de acusador. Satanás é chamado de ‘o acusador de nossos irmãos’ em Apocalipse 12:10, pois faz suas acusações contra nós ‘dia e noite’. Portanto, não deve ser surpresa se o vermos usando isso para colocar os cristãos uns contra os outros. Se nossos corações não estiveram cheios do amor de Deus, podemos acabar fazendo o trabalho do demônio em seu lugar”, escreveu ele.

O pastor dividiu a sua mensagem em três alertas contra a fofoca

Grady dividiu seu alerta em três tópicos, sendo eles: 

01 – Lembre-se de que o diabo é o acusador; 

02 – Nunca repita algo negativo que você ouviu sobre alguém, a menos que você perceba que é verdade; 

03 – Quando você ouvir algo negativo sobre alguém, ore em vez de fofocar.

“Infelizmente, gostamos de ouvir coisas negativas sobre os outros porque nos dá a impressão que somos mais ‘justos’. Alimenta nossa carne. Lembrem-se que Provérbios 26:22 diz ‘As palavras do caluniador são como petiscos deliciosos; descem saborosos até o íntimo’”, frisou ele.

“Nunca se alinhe com o acusador. Certifique-se de que em seu coração não há espaço para a falta de perdão, o ciúme e o ódio, para que não acaba sendo um ajudador do diabo”, acrescentou.


Resultado de imagem para fofocas na dentro da igreja
Em sua mensagem, publicada originalmente pelo Charisma News, Grady aproveitou o episódio onde uma irmã foi procurar o pastor alegando ter uma “revelação” para lhe contar acerca de outro membro da igreja. O líder então alertou para o fato de alguns utilizarem questões espirituais para tentar justificar e fazer fofocas, dizendo ser algo de Deus quando, na verdade, são conflitos humanos.
*****
Fonte:https://noticias.gospelmais.com.br/pastor-faz-alerta-contra-fofocas-na-igreja-94996.html?utm_source=notification

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Simão, o Cirineu .


Marcos 15
16. E os soldados o levaram dentro à sala, que é a da audiência, e convocaram toda a coorte. 17. E vestiram-no de púrpura, e tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram na cabeça. 18. E começaram a saudá-lo, dizendo: Salve, Rei dos Judeus! 19. E feriram-no na cabeça com uma cana, e cuspiram nele e, postos de joelhos, o adoraram. 20. E, havendo-o escarnecido, despiram-lhe a púrpura, e o vestiram com as suas próprias vestes; e o levaram para fora a fim de o crucificarem. 21. E constrangeram um certo Simão, cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava, vindo do campo, a que levasse a cruz.

        

O MARTÍRIO DO SENHOR JESUS

Após ter sido traído por um de seus discípulos, chamado Judas Iscariotes, Jesus é levado para a casa do Sumo Sacerdote Caifas, e ali começa um período de humilhação, na qual Jesus é castigado sem nada ter feito e esse caminho de sofrimento eu escrevo pormenorizadamente na mensagem “O SOFRIMENTO DE JESUS”.

Jesus mesmo nada tendo que o mostrasse como um homem que devesse ser condenado ou que tivesse feito algo mau ou ruim, foi julgado quatro vezes e em todas foi visto que realmente era inocente, pois nada havia feito para que o matassem como exponho abaixo, veja:

OS QUATRO JULGAMENTOS DE JESUS

a) O PRIMEIRO JULGAMENTO – O JULGAMENTO DO SINÉDRIO

Em MC-14:55 a 58, a bíblia relata que os principais dos sacerdotes procuravam testemunhas contra Jesus para o matarem, mas depunham falsamente, e os testemunhos não concordavam. Que corjas de gente mesquinhas forjavam pessoas, comprando com valores, só para testemunharem falsamente contra um Homem inocente, e Jesus nada falava, apenas disse “Eu sempre estive no meio de vós”, como que dissesse; vocês são cobras traiçoeiras, eu os conheço. Mas mesmo com artimanhas diabólicas não conseguiram condenar a Jesus, mas não satisfeitos, procuravam algo que o incriminasse, armaram outro julgamento para o Filho de Deus.

b) O SEGUNDO JULGAMENTO – O JULGAMENTO DE PILATOS

Agora em MC-15:01 a 06 os covardes dos sacerdotes levam Jesus para o covarde Pilatos que já estava se borrando todo, mas Pilatos tentando se safar lembra que era Páscoa, e que o costume dos judeus era nessa data soltar um condenado, e então quis que soltassem Jesus, mas eles não quiseram, dizendo crucifica-o, então Pilatos queria trocá-lo por Barrabás. Não deu! Vou dar-lhe uma surra e soltá-lo, também não deu! Pilatos não viu culpa em Jesus. Então Pilatos se lembrou que Herodes estava por ali, e enviou Jesus para ele, colocando Jesus em um terceiro julgamento.

c) O TERCEIRO JULGAMENTO – O JULGAMENTO DE HERODES

Doutor Lucas é o narrador, LC-23:6 e 7, 10, 11 e 14, você pode ler que o curioso Herodes, que tinha vontade de conhecer Jesus mata sua curiosidade, pois creio que quando ele viu a Jesus pensou em seu coração: “Este é Jesus? Que cara feio! Eu imaginava outra pessoa!”. Herodes interrogou mas também não viu culpa em Jesus e envia o meu Jesus de volta para Pilatos. Mas Ele seria contado entre os malfeitores. Então quando Jesus volta o covarde do Pilatos vejam o que ele faz, se mostrando um frouxo ele lava as mãos, pois preferiu deixar que os outros decidissem ao invés de inocentar a Jesus.

d) O QUARTO JULGAMENTO – O JULGAMENTO DO POVO

MT-27:22 a 25, é surpreendente esse julgamento, pois o povo chama a responsabilidade para eles, no versículo 25 eles dizem que o sangue Dele caia sobre nós. Buscavam de toda maneira condenar a Jesus e não conseguiram, mas fizeram somente depois que o covarde lavou as mãos, não lave suas mãos, não seja omisso. Preferiram Barrabás à Jesus, não prefira o mundo, prefira Jesus. Agora o povo conseguiu decretar a crucificação de Jesus, Ele iria mesmo para cruz, Sua placa seria escrita e carregada em seu pescoço até o Golgota.

A VIA DOLOROSA

Deram a Jesus a cruz que era de Barrabás, pois devido a rapidez dos julgamentos não foi possível ser confeccionado uma cruz nas medidas de Jesus, ele morreu em uma cruz que não era dEle, mas minha e sua.

Com a cruz nas costas Jesus sai do centro religioso de Jerusalém, do pretório e desse uma ladeira, que chamamos de “Via Dolorosa”. Por ali as pessoas cuspiam em Jesus e proferiam palavras torpes. Por essa rua estreita e calçada de pedras irregulares, Jesus caminha carregando uma cruz que pesava aproximadamente cerca de 70 Kilos, a julgar pelas medidas de Barrabás, mas Jesus está todo surrado, cortado, havia sangrado muito e seu corpo está ultrajado, então ele cai algumas vezes, mas torna a se levantar e prosseguir em direção ao Gólgota.

Da fortaleza Antônia, onde Jesus foi açoitado e saiu carregando a cruz existe uma rua estreita e andando por ela existe uma esquina que converge para a direita e dá para uma das portas que leva para fora da cidade murada. Próximo a esta esquina existe uma pedra que tem em cima uma pequena inscrição, Shimom Cirineu, ou seja, foi neste lugar que um homem estranho foi constrangido a ajudar um condenado inocente.

Ao virar nesta esquina se segue até um dos doze portões da cidade de Jerusalém, que se chama O Portão de Damasco, e ao passar por este portão já se está fora da cidade Santa e próximo ao lugar onde aconteceu a crucificação do Senhor Jesus que em Hebraico é chamado de Gólgota.
    

O CIRINEU

Onde Jesus cai perto da pedra até a próxima estação da via dolorosa, é exatamente cinqüenta passos de distância, que foi o espaço exato que Shimom ajudou o homem de Nazaré. Mas o que um homem da cidade de Cirene estaria fazendo em Jerusalém? O que teria levado este homem a fazer uma viagem de 1.600 Km? Qual seria o objetivo de Simão ao chegar a Jerusalém no dia 14 de Abibe? Quem era realmente este Simão Cirineu?

Cirineu é a indicação de onde ele viria, e Cirene ficava na costa da África do Norte e tinha sido fundada por uma colônia grega. Essa comunidade Grega, mais tarde foi entregue à posse dos Romanos. A população judaica dessa província era tão significativa, que Jerusalém tinha orgulho de ter uma sinagoga dos libertos para os visitantes de Cirene e para outros estados livres (Atos-6:9). Hoje é a Etiópia.

Então Simão o Cirineu era um africano que em hebraico é chamado de Shuaz, que significa negro e ele chega a Jerusalém no dia 14 de Abibe, o grande dia da Páscoa, uma das três datas mais importantes do calendário judaico da época.

Essa cidade ou este território antes de ser uma colônia grega era um reino chamado Sabá, e tinha uma rainha chamada e conhecida por “Rainha de Sabá”, que a muitos anos atrás teria vindo visitar e conhecer o famoso rei e tido com ele um relacionamento profundo (I Reis 10). Os historiadores Judeus acreditam que Simão era descendente desse relacionamento e a prova de que ele era um judeu é o seu nome, Shimom, que era também o nome do segundo filho de Jacó, uma das tribos de Israel. Sim, este homem era um judeu negro! Ele era um monoteísta, ele acreditava em um único e verdadeiro Deus que reinava sobre toda a terra.
    

SIMÃO EM JERUSALÉM

Mas por que ele estava em Israel? Havia um mandamento que dizia que todo Judeu uma vez na vida todo judeu deveria peregrinar até a cidade Santa a fim de participar de uma das três grandes festas, ou seja, a festa dos Tabernáculos, a festa da Páscoa e a festa de Pentecostes. Então Simão o Cirineu estava em Jerusalém a fim de participar da festa da páscoa.

Um ritual acontecia todo ano no dia 14 de Abibe, no templo sagrado, pontualmente, onde uma multidão de homens se aglomerava para participar, vestidos de linho branco, era o sacrifício do cordeiro pascal. Na entrada o local ficava homens responsáveis por inspecionar as vestes dos que desejavam entrar ali, sabendo que se houvesse uma mancha ou qualquer sujeira na veste branca de linho, este não poderia entrar no local sagrado da cerimônia.

Dentro do templo havia um altar grande e alto, com cerca de 2,80 metros de altura todo feito em pedra inteira sem corte ou trabalhada, e após o Sacerdote cortar a jugular do cordeiro ele o pegava pelas pernas traseiras e com movimentos no sentido horário girava sete vezes em torno do altar deixando que o sangue caísse e escorresse pelo altar, e quando todo o sangue já havia saído o sacerdote pegava uma planta citada no Salmo 51:7, chamada hissopo, que é uma planta esponjosa, com forte poder de absorção, e com a planta encharcada, ele aspergia sobre os homens que ali estavam para que recebessem ao menos uma gota do sangue do cordeiro na veste de linho puro, e quando isso acontecia aquela veste passava a ser um troféu para a vida do judeu. Imagine que os judeus viajavam milhares de quilômetros para receber ao menos uma gotinha do sangue do cordeiro.

Então quando Simão chega à cidade de Jerusalém após uma longa viagem, muito feliz, ele entra pela porta de Damasco e veste a sua roupa branca de linho puro e caminha em direção ao local da cerimônia a fim de receber uma gotinha de sangue. Assim caminha Simão, mas quando ele dobra uma esquina ele depara com uma cena horrenda, pois um condenado todo ensangüentado caminhava em sua direção carregando uma cruz e pendurado em seu pescoço uma tábua com inscrição em três línguas, Grego, Latim e Hebraico, que dizia: “Yeshua et Nazareth melec Yudim”, ou seja, “Jesus de Nazaré rei dos judeus”.

Penso que Simão se assusta, pois nunca havia visto tal coisa. Simão procura se proteger a fim de que a multidão e o condenado passassem por ele para que pudesse seguir seu caminho, mas ao chegar a frente a Simão o condenado cai, e os soldados olham para Simão e lhe obrigam a ajudar o condenado. Talvez Simão lá bem dentro de seu coração ele se arrepende ter pegado aquele caminho, mas a ordem dos soldados romanos foi ameaçadora. Simão olha e naquele momento o condenado também levanta seus olhos e os olhares de Simão e Jesus se cruzam. Na verdade Simão não foi constrangido pelos saldados romanos, mas sim pelo olhar manso e suave de Jesus.

Simão se abaixa e o condenado joga um dos braços em seu pescoço e Simão o abraça e pega a cruz lavada de sangue e joga nas costas e ajuda um homem que nunca tinha visto antes e o leva até adiante e depois o condenado segue sozinho. Simão olha para cima para ver a posição do sol a fim de saber se ainda há tempo para participar da cerimônia sagrada, mas vê que o tempo passou e ele perdeu a gotinha do sangue do cordeiro. Simão olha para sua veste e vê que ela está toda encharcada de sangue, e então procura saber quem era aquele condenado, e alguém lhe conta a história de Yeshua Ben-David, Jesus filho de Davi.

Agora que tudo passou, e Simão perdeu a cerimônia, ele tem que voltar para casa, pois sua família o esperava para ver sua veste branca de linho puro salpicada de gotinhas de sangue. Mais 1.600 Km seriam percorridos com uma cena em sua mente.
    

DE VOLTA PARA CASA

Uma longa jornada de volta teria que ser feita pelo judeu negro, mas agora ele carrega dentro de seu coração a imagem da face machucada de um homem que era inocente, e dentro de sua bagagem vai uma roupa de linho branco encharcada de sangue. Quando Simão chega em casa, seus filhos, sua família, seus amigos, querem ver o troféu, então Simão tira a veste de linho e lhes conta a história de Yeshua Ben-David, e todos choram juntos e se convertem ao nome que está acima de todos os nomes. E talvez você pergunte como cheguei a esta conclusão, é só lermos o escrito de em Romanos 16:13. Mais tarde encontramos o Apóstolo Paulo se referir a um grande missionário da região de Corinto, na cidade Cencréia, que na verdade era um porto de Corinto. Segundo historiadores este Rufo tinha um irmão também muito fervoroso e fiel a palavra, e seu nome era Alexandre, ambos os filhos de Simão.

Os 50 passos do local onde Simão ajudou a Jesus até a próxima estação significam os cinqüenta dias que se deu após a morte de Jesus até o dia do pentecostes, a descida do maior presente dado ao homem, O Espírito Santo.   

CONCLUSÃO

Precisamos que nossos propósitos sejam confrontados com os propósitos do Senhor Jesus, pois de nada adianta buscarmos o pouco se Ele tem muito para nos dar, pois Simão buscava gotinhas de sangue e ganhou uma veste encharcada do verdadeiro sangue do verdadeiro cordeiro pascal.

Toda vez que A Bíblia se referir a linho fino, ela esta se referindo a justiça, e assim Simão se veste da justiça da religião, do mundo, dos homens, e vai e entra em Jerusalém mas acaba por encontrar o sangue que purifica toda a justiça, o sangue de Jesus. Sangue este que ainda está disponível a todos nós.
Paz do senhor a todos.
Pr.Robenildo Lins.